sábado, 7 de dezembro de 2013

Amizakart 2013: Acabou....

RAMOS/RJ/”REDAÇÃO” (Cansado e feliz) – Salve amigos! Hoje falarei um pouco da 14ª e 15ª etapas do Campeonato Amizakart 2013, que rolou hoje (07/12/2013) no Kartódromo Internacional de Volta Redonda. Antes, porém, preciso voltar no tempo agora para lhes contar algo que ajudará a entender o porque da minha felicidade com essa contista do segundo lugar na categoria LIGHT.

No início desse ano, eu estava inscrito em outro campeonato, campeonato do qual me desliguei por motivos que não interessam mais a esse que vos escreve, e 2013 parecia ser um ano sabático, apenas de treinos para me manter competitivo. Conversando com o meu grande amigo Luiz Henrique, piloto Amizakart, eis que surge a oportunidade de participar das etapas da categoria OPEN do Amizakart, convite imediatamente aceito por mim e pelo meu Pai, na época, também chamado pelo Luiz.

No dia 27/02 fiz minha estreia na categoria OPEN. Fiz três provas nessa categoria (no mês de março não houve etapa da OPEN), e em Julho (dia 17), surgiu a oportunidade de correr na LIGHT, devido a remanejamento interno de pilotos. Cheguei à categoria nessa data, zerado. Não pude trazer os pontos que acumulara na categoria OPEN. Contando com essa etapa de Julho, eu teria um total de oito etapas para tentar aquilo que parecia muito difícil, a classificação para mudar de categoria em 2014. Bom, fui disputando minhas provas, treinando na semana anterior com o meu Pai, e os resultados foram aparecendo. Dessas oito etapas, eu perdi uma, a 1ª etapa de outubro (Tivemos duas nesse mês), num dia que a cidade do Rio de Janeiro deu um nó no trânsito, devido a uma manifestação de motoristas de Van... Pois bem, sete etapas pra tentar. Cheguei a Volta Redonda hoje em quinto lugar no campeonato e pensando comigo, “vou brigar até a última volta!”.   

14ª Etapa – Quase estrago tudo...

Saímos cedo de casa, paramos na Casa do Alemão, pois meu parceiro na Equipe Carvalho´s Racing, também conhecido como meu Pai, teve que fazer um pit stop antes de chegarmos ao Kartódromo de Volta Redonda. Parada concluída, Pai lastreado, pegamos a estrada. Chegamos bem, falamos com o pessoal, e logo fui me arrumar para a prova. A galera foi chegando, o nosso horário também, rolou o briefing com o João, e vamos para a pista. Peguei o Kart #14 na primeira bateria do dia, a 14ª etapa. Pneus zerados, o “meca” me disse que estava bom (Você sempre vai ouvir isso) e lá fui eu. GoPro ligada e vamos para o Qualify. Saí dos boxes e nas primeiras curvas fiquei surpreso com o grip do carrinho. Incrivelmente o chassi estava trabalhando bem nas curvas (algo raro em karts de aluguel, geralmente muito rígidos) então pensei, acho que dá pra salvar uma boa corrida “com esse cara”. Treinei e marquei o 4º tempo. Meu amigo Chico, a quem eu marquei nessa etapa, e que ficou em terceiro lugar na classificação geral da categoria LIGHT, largou em segundo. Bom, pra cima dele! (Risos). Largamos!

Larguei bem. Minha “gordice” não me atrapalhou muito, e por sorte, eu só estava 3 kg acima do lastro da minha categoria. Na largada evitei as confusões e toques consegui ganhar duas posições e fiquei em segundo. O Chico em terceiro seguido pelo Marcos Lobo. Na dianteira, o campeão da categoria, Sérgio Coutinho, ditava o ritmo. Permaneci em segundo por boa parte da prova, me defendendo dos ataques do Chico e do Marcos, nitidamente mais rápidos que eu, mas não deu. Primeiro o Marcos superou o Chico e a mim, sem que pudéssemos resistir por mais tempo. Depois partiu pra cima do Sérgio e também o superou. Nesse momento, por conta da briga do Sérgio com o Marcos, eu e o Chico, que também vínhamos trocando de posição curva a curva, chegamos neles. Numa fatídica volta próxima ao final, passamos os quatro colocados, no vácuo um do outro, e dois botes se aramaram. O Primeiro do Sérgio pra cima do Marcos, e o segundo, meu pra cima do Chico, mas, eu errei a manobra. Vi um espaço que achei que dava, meio pista meio zebra, numa parte de maior velocidade do traçado que utilizamos nessa primeira prova e bingo. Mifú. Bati de lado com o Chico, e se insistisse na manobra, eu o tiraria da prova. Sem pensar muito (porque nem temos esse tempo), puxei o meu kart para dentro da curva = grama e lá fui eu de lado... Quando ele saiu com a frente da pista e pegou a grama, eu voltei o volante para o outro lado (o sentido que eu estava indo), dei pé no #14 e consegui voltar a pista. Não cheguei a rodar. Posso dizer que foi um drift tabajara, e eu trouxe o malandro de volta pra corrida. Com essa lambança, eu perdi uma posição pro Marcus Rezende, e fechei a primeira corrida em quinto. O Chico fez terceiro.

Intervalo – Categoria Open na pista, eu dei uma de fotógrafo, bebendo uma água, porque a chuva que eu esperava não veio. Descansei um pouco, fomos novamente para o briefing com o João.
Lá, fiquei sabendo que o Sérgio com o resultado da primeira etapa do dia, sagrou-se campeão antecipado, e que eu ainda poderia brigar com o Chico.
Nesse momento, ele com 180 (salvo engano), eu com 173 pontos.
15ª Etapa – Bobeada do kartódromo no meu qualify...

Peguei o Kart #10, que foi usado pelo meu Pai na primeira bateria do dia, e lhe perguntei se estava bom. Resposta, “pra kct!” Vindo dele, sabia que não era cascata – e não era mesmo. Fomos para o parque fechado, me ajeitei no kart (hoje aprendi uma lição – vocês entenderão mais a frente), e ao sinal do “meca”, saí pra qualificar o carrinho. Gostei do freio, do chão, pensei que estava andando bem, e eis que olho pra o placar e meu kart não está nem entre os dez primeiros colocados. Pensei: “Deu merda”. Fiz sinal e fui para o parque fechado trocar de kart. Chegando lá, o chefe dos “Meca” me fala: “Pô, não troca, esse kart é bom!” Minha resposta: “Pô, mas ele não está aparecendo nem entre os dez primeiros...” Aí, um segundo “Meca” manda a pérola do dia: “Pô (novamente esse Pô), ele está com lastro. Amigos, pensem num cara puto. Pensaram? Multipliquem por 245, elevem ao cubo. Isso é um décimo do que eu senti. EU ESTAVA COM A MINHA GORDICE, LEVANDO A PORRA DOS 20 Kg DE LASTRO QUE O MEU PAI USOU NA PRIMEIRA BATERIA DO DIA. PUTA QUE PARIL . COM . BR !!!!    
Ainda assim, consegui largar em décimo segundo, de um total de dezoito karts. Sim, porque tirei a bosta do lastro e não consegui uma volta rápida cronometrada... Vamos para a corrida.

Grid montado, eu “feliz” em décimo segundo, vendo meu adversário direto, Chico, em sexto. Novamente, pra cima deles! Sim, deles, onze na minha frente! Largamos, e como diz uma cara que eu acompanho nos comentários de automobilismo, o Mestre Edgard de Mello Filho, “largar na zona do tiroteio, é fogo sócio”. Escolhi uma linha externa do traçado escolhido nessa última bateria, com uma grande curva de raio longo e aberto a direita, e ganhei várias posições. Acho que cheguei a figurar em oitavo três curvas depois da largada, MAS, no meio do caminho houve um toque. Houve um toque no meio do caminho. Dois amigos se estranharam numa curva fechada no miolo do traçado, eu já ia escapando mais uma vez por fora (a minha saída pela direita estava sinistra hoje) e levei aquele toque de pontinha na traseira que quase me vira ao contrário, e sei lá como eu consertei o carrinho, mesmo espalhando mais um pouco. Mantive o rumo, apontado pro lado certo. Vamos começar tudo de novo.
Sei lá em que posição eu estava agora, mas não tinha escolha. Faca nos dentes, “sague nus óiu” e lá fui eu. Escalei um a um, dentre eles o meu Pai que no final da corrida cansou o pescoço e começou a pendular muito nas curvas. Fui fazendo as ultrapassagens, passei o Chico, e no final consegui salvar um sexto lugar, tendo que me recuperar largando lá de trás e me envolvendo numa confusão. Nisso, o Chico fez décimo segundo – trocamos de lugar nessa bateria. Fomos para a contagem de pontos e empatamos. No critério de desempate, vitórias, eu levei. Entendem agora o motivo da minha felicidade e orgulho? Cheguei a Volta Redonda hoje em quinto lugar no campeonato, e consegui ficar em segundo. Como prêmio, foi promovido para a categoria PRIME em 2014 !

Bom pessoal, independente de qualquer resultado, acho que o ano de 2013, ao lado desses caras do Amizakart, e não quero citá-los para não cometer o erro de esquecer de alguém, foi um ano de redescoberta pra mim. Depois de vários anos envolvidos diretamente com organização de campeonato, poder ser apenas piloto, é sensacional. Muito obrigado a todos pelos momentos que passamos juntos em 2013, e tenho a certeza absoluta que me encontrei realmente dentro de um grupo de amigos que amam correr de kart, que se respeitam acima de tudo. É muito bom ter confiança no seu companheiro de prova, saber que você pode dividir uma curva com ele, e que haverá respeito.

Mais uma vez, muito obrigado meus amigos do Amizakart. Poder fazer isso com vocês, e principalmente com o meu Pai, vendo que ele está se divertindo, não tem preço.  Vamos para 2014 agora. Me esperem com menos “gordice”, mais rápido e mais afim de vencer.

Um grande abraço a todos, e ótimas festas de final de ano.

Saúde e Paz.

Maurício Filho

Um comentário:

  1. Parabéns Maurício, pela conquista e pelo post. Gargalhei à vera com o segundo "Pô".
    Henrique

    ResponderExcluir

9ª Etapa AMZK 2017 - Guaratinguetá - Vídeos

Categoria Light: Pole, melhor volta e vitória ( 08 Karts no total, largada lançada) Bateria de convidados: P5 = P5 (18 Karts no total...